Rede eficiente para um atendimento de excelência

Rede eficiente para um atendimento de excelência

Sobre o cliente

Fundada em 1950, a AACD possui uma infraestrutura completa dedicada à reabilitação e habilitação de pessoas com deficiências físicas e necessidades neuro-ortopédicas – composta por um hospital ortopédico, nove unidades de reabilitação e cinco oficinas para fabricação de produtos ortopédicos. Anualmente, realiza cerca de 800 mil atendimentos especializados para pacientes de todas as idades, via SUS, particular e convênios. Realiza cerca de 7 mil cirurgias por ano no hospital ortopédico e produz mais de 55 mil produtos ortopédicos na oficina.   Conta ainda com as áreas de Ensino e Pesquisa, que dissemina os conhecimentos adquiridos ao longo de sua história aos profissionais de todo o País, e com a inclusão escolar e esportiva, que contribuem para a inclusão da pessoa com deficiência. A Instituição tem hoje cerca de 1.900 funcionários e 1.300 voluntários. 

Problemática

A AACD encontrava dificuldades no ambiente computacional do TASY devido a montagem e estruturação que foram realizadas pelo antigo provedor de Serviço de Banco de Dados Oracle e da camada de acesso WebLogic. Isto trazia, de forma recorrente, problemas na performance de algumas funções e na estabilidade do sistema como um todo.

Projeto

Assim que a Digisystem assumiu o cliente, sua equipe realizou uma completa e minuciosa avaliação da infraestrutura computacional, na qual foram analisadas todas as configurações de arquitetura com o intuito de verificar se os parâmetros estavam de acordo com as boas práticas ditadas pelas empresas fabricantes dos sistemas de gestão e de banco de dados, além da Digisystem. Nesta investigação foram estabelecidos alguns cenários e hipóteses para o projeto, como a migração da infraestrutura on-premises para Cloud, mas, em comum acordo, decidiu-se manter o ambiente on-premises aproveitando o investimento que já havia sido realizado pela AACD.

Desenvolvimento da solução

No período de dois meses, a Digisystem analisou cada uma das camadas do sistema de gestão em operação na AACD e identificou defeitos de configuração na camada de banco de dados e de aplicação. Dessa forma, traçou uma estratégia para redesenhar o ambiente com o mínimo de impacto possível no dia a dia da instituição, já que todos os ajustes deveriam ser feitos com o sistema em produção, a fim de não prejudicar os atendimentos que ocorreriam neste intervalo. 

Cada caso foi tratado individualmente pela equipe de especialistas da Digisystem. Dentre os que mais se destacaram foram:

  • Lentidão da comunicação do cluster de banco de dados – havia um problema muito sério de configuração na camada de comunicação entre os nós do cluster. Quando um precisava da informação, o outro não respondia, causando um evento dentro da estrutura de cluster que derrubava um dos nós. Para resolver a questão, foram ajustadas as camadas de comunicação de ambos os servidores, de forma que não houvesse mais queda de sistema, e a configuração dos dois nós de banco de dados para que ficassem mais estáveis e ágeis, eliminando a lentidão para o usuário final. 
  • Camada de balanceamento de carga em desarmonia – na camada de aplicação existiam alguns ajustes para serem feitos, de forma que o sistema pudesse alocar mais informações, usando menos memória. Para isso, foi implantado na camada de balanceamento um pacote de compressão, cujas configurações foram desenvolvidas pela Digisystem, que possibilita menor tráfego de rede, aumentando a velocidade na troca de informações.

Resultados

Após os ajustes realizados em toda a infraestrutura operacional da AACD, as ocorrências, que eram semanais e em uma média de três a quatro eventos de sistema com lentidão, indisponível ou com erro para o usuário, reduziram constantemente até chegar a um hiato de pelo menos quatro meses sem chamados relacionados à indisponibilidade. Um dos pontos mais importantes para esse resultado é o serviço de Monitoramento, que ajuda a definir paramentos para saber se o sistema está funcionando corretamente ou se tem algum evento que pode vir a ocorrer ou já ocorreu.

“Quando decidimos pela contratação da Digisystem como parceiro em sustentação e monitoria de nosso principal sistema, que propicia toda a gestão assistencial (hospitalar e ambulatorial), das fábricas de produtos ortopédicos, além de todo back office, avaliamos o grau de conhecimento, reputação, infraestrutura de suporte da mesma. Encontramos uma empresa de excelência que, com os esforços envidados conjuntamente com a equipe de TI da AACD, conseguiu solucionar um problema crônico com a aplicação”, comenta Victor Kaspar, gerente de TIC da AACD.

Também é preciso destacar que a área de TI do hospital faz um papel importante para o Suporte e a Sustentação realizada pela Digisystem, pois é responsável pelo atendimento nível 1, mantendo o contado direto com os usuários, mitigando alguns dos problemas ou traduzindo-os de forma mais técnica para a equipe de especialistas da companhia, que responde pelos atendimentos N2 e N3. A parceria entre esses profissionais e a Digisystem facilita o trabalho como um todo, mantendo a estabilidade e a agilidade do sistema operacional da AACD.

No que se refere ao resultado financeiro da solução apresentada à AACD, só é possível mensurar vagamente, uma vez que os números são amplos. Contudo, “são significantes os ganhos de qualidade obtidos, tanto em performance quanto em estabilidade, além do retorno econômico no contrato. Tivemos uma redução de cerca de 20% nas despesas de sustentação com o novo contrato com a Digisystem”, destaca Kaspar.

Da mesma forma é fundamental ressaltar o impacto gigantesco da resolução do problema, já que envolve lançamento de todos os atendimentos, procedimentos e medicamentos, que são sistêmicos e acessados eletronicamente, gerando uma conta a ser cobrada dos convênios – sejam particulares ou SUS –, e erros podem incorrer em glosa de pacotes de milhares de reais. Outro ponto é que, um período de sistema instável ou indisponível, gera prejuízo para a imagem do hospital e, principalmente, para a segurança do paciente. 

Compartilhe esta publicação